19.2.13

GUILTY PLEASURES A.K.A. WHAT AM I DOING WITH MY LIFE




 Esta pilha de livros nas fotos, não é aleatória. São todos os livros que fui comprando e estão neste momento por ler.
Eu costumo lê-los bastante rápido, mas esta pilha parece-me excessiva.
No início do ano fiz um post sobre os males dos blogues de moda de hoje, muito moralista e cheia de razão. Mas depois vieram os saldos, e a história foi outra…
Porque por alguma razão, parece errado quando os outros consomem desenfreadamente, mas nós não.
Secalhar o que eu julgo ser comprar muito, não é aplicável a toda a gente, especialmente porque não gosto de dar muito dinheiro por roupa, e os saldos são muito bons para encontrar pechinchas, especialmente os saldos do Porto (mas lá estou eu a desculpar-me…). O que é certo, é que me pareceu tudo bastante hipócrita, depois do discurso que tinha dado, e no qual ainda acredito, no inicio do ano.


Translation:

This stack of books in the pictures, is not random. These are all books that I bough over the months but still haven’t read.
I usually read them pretty fast, but this stack seems to me excessive.
Earlier this year I did a post about the evils of the fashion blogs today, very moralistic and full of reason. But then sales season started, and that was another story ...
What is certain is that everything seemed quite hypocritical, after the speech that I gave at the beginning of the year, and in which I still believe in.





Tive algum tempo a reflectir sobre isto. De onde vem este impulso de comprar? Nunca vi homens a passarem por isto, nem a ficarem entusiasmados com a época de saldos.
Nem sequer estou a falar de todas as técnicas de marketing e publicidade a que estamos sujeitos diariamente. Já alguma vez pensaram no que vos leva a comprar mais um casaco, apesar de terem mais do que o suficiente no armário, ou a ter várias malas quando só precisamos de uma?
Quando estamos numa loja, a olhar para uma peça que adoramos, o que é que nos move a comprá-la? Eu no meu caso imagino, inúmeras situações em que as vou usar e como elas vão ser muito melhores porque possuo essa mesma peça. Como se o momento perfeito fosse criado com aquele vestido, apesar de ter mais uma data deles em casa, que claramente iriam surtir o mesmo efeito.
Sabem aquele momento nos filmes, em que a rapariga veste a roupa perfeita, com o corte de cabelo perfeito, os sapatos perfeitos e é assim que conquista o mundo à sua volta? Sinto que somos todas levadas nesta cantiga, que claramente tem origem na pobre Cinderela (todos os meus problemas tem como fonte a maior criadora de ilusões, a Disney ahah) que com o vestido branco e os sapatinhos de cristal consegue o amor eterno e um lugar justo no mundo em vez de lutar por aquilo que queria e contra as pessoas que a tratavam tão mal e casar-se com um homem que estava interessado em algo mais que a sua bela aparência.


Foi aqui que cheguei à conclusão que todas andamos a perseguir um sonho que não existe. As coisas são uma barreira para atingirmos o nosso potencial, pois deixamos que elas nos definam como pessoas, e concentramos a nossa energia em ter em vez de ser.
Os homens não têm esta obsessão por roupa, porque vivemos numa sociedade em que o poder das mulheres vem da aparência e o dos homens do dinheiro.



Translation:

I had some time to reflect on this. Where does this impulse buying come from? I never saw  men go through this, nor become excited about sales.
I'm not even talking about all the techniques of marketing and advertising that we are subjected to daily. Have you ever thought about what leads you to buy a coat, despite having more than enough coats at home, or have multiple bags only when you need just one?
When we are in a store looking at a piece that we love, what moves us to buy it? I guess in my case, I just think about the many situations in which I will use it and how they will be much better because it.
You know that moment in the movies, where the girl is wearing the perfect outfit, the perfect haircut, the perfect shoes and she conquers the world around her because of it? I feel that we are all buying this story, which clearly started with poor Cinderella (all my problems come from watching Disney as a child ahah) with the white dress and glass slippers that allowed her to be noticed by the prince and have a shot at eternal love and a fair place in the world instead of getting a lawyer to restore her father’s inheritance, kicking those bitches out of her house, and going to the ball with the dress she bought with her earned money and only then fall in love with a guy that expects more from you, than looking good.

It was here that I realized that we are all chasing a dream that doesn’t exist. Things are a barrier to achieve our potential because we let them define us as people, and focus our energy on having rather than being.
Men do not have this obsession with clothes, because we live in a society where women's power comes from the appearance and men from money.






Depois de tanta reflexão, decidi chegar um acordo comigo mesma e lancei-me um desafio.
O que acontecia se deixasse de comprar roupa e livros durante três meses? O ano passado lancei-me neste desafio durante um mês e não sentir a necessidade de pensar, em ver lojas e o que havia de novo foi bastante libertador, ainda que não me tenha privado disso pois apesar de não poder comer o bolo, podia pelo menos apreciá-lo.
Acho que é interessante ver o que acontece, nem que seja para assistir ao espectáculo de me verem a ficar maluquinha.
Está então lançado o desafio, alguém se quer juntar a mim?



Translation:

So after much reflection, I decided to reach an agreement with myself and threw me a challenge.

What happens if stopped buying clothes and books for three months? Last year I threw myself this challenge for a month and not feeling the need to see what was new was quite liberating.  
It’s decided then. Let’s see how crazy I get in the meantime!





10 comentários:

João Pinho disse...

Coragem. Eu ainda agora estava a pisar a calçada e olhei para a montra da loja do Luís Buchinho, (que por sinal também estava em saldos) e vi a camisola com o estampado da calçada portuguesa, e disse moda é isto, é um manto emaranhado de clichês, é tu estares avant, sempre à procura de algo novo. Hoje quis, tentar arranjar bibliografia complexa e específica, corri várias livrarias e alfarrabistas e não consegui...Valeu-me por aqueles escassos segundos de contemplação.

MintJulep disse...

Interessante essa leitura que fizeste, e se bem que em termos pessoais discorde de muitas coisas - apenas porque tenho de certo uma vivência diferente da tua em ertos aspectos - não posso deixar de aplaudir a clareza com que exprimiste algo que eu digo muitas vezes de forma mais atabalhoada cá por casa: vivemos num mundo onde o "poder" das mulheres vem da aparência. Diria mais, vivemos num mundo onde uma mulher se define maioritáriamente APENAS pela sua aparência. Não vou entrar no desafio, apenas pela razão de que terei de adquirir roupa brevemente, pois certos básicos de primavera e verão que tenho estão tão velhos e tão gastos que preciso mesmo de os substituir sob risco de andar semi nua nas próximas estações. Mas quando for comprar não poderei ceder a caprichos e desejos de mais um isto e mais um aquilo que já tenho tanto por casa. Quanto á parte dos livros: passei um ano e meio sem poder comprar um livro que fosse. E isso deu-me grandes depressões, e lágrimas amargas. Nunca conseguiria como tu ter uma pilha desse tamanho de livros por ler, tenho de ler constantemente. Comprei 3 livros no Natal, e sei que durante mais um ano não comprarei mais nenhum. E isso dói-me muito mais do que se me dissessem que agora durante um ano não comprava um par de sapatos novos. Gostei mesmo de ler esta reflexão.
http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.com

Carolina Almeida Martins disse...

Concordo plenamente, é tudo uma ilusão criada á nossa volta aha adorei o blog :) beijinho

Anna disse...

Só gostava que mais pessoas pudessem tirar um momento para pensar nisto. :) É que nem é só aparência, é uma aparência que está CONSTANTEMENTE a mudar. Todas as estações, há tendências novas, conceitos novos, ideias novas, e lá vai a trupe toda (incluo-me a mim mesma, por vezes... infelizmente) perguntar-se "Mas quem é que quero ser nestes próximos três meses?"

É cansativo, e destrutivo, porque por muito que se tente alcançar o ideal, qualquer que ele seja, ele vai continuar a ser inatingível. E mesmo que hipoteticamente conseguíssemos alcançá-lo, then BAM, Outono-Inverno, deitem fora os neons, agora vamos ser... sei lá, visões de inocência a cores pastel. É por isso que a moda rende, e nada mais. Se comprássemos roupa só para andar vestidos, não saía daqui grande negócio. (a parte fabulosa é que digo isto tudo mas se for preciso para a semana estou na Zara a escolher uma prenda de aniversário para mim mesma, portanto... é sempre mais fácil dizer do que fazer)

Anyway, há tempos encontrei um blog muito, MUITO bom sobre este tema, e sobre moda sustentável em geral, portanto vou partilhar:

http://emptyemptor.com/

Quanto ao desafio, não vou alinhar, porque já estou a cumprir o meu próprio desafio para este ano. Desafiei-me a comprar não mais do que 12 peças. So far so great.

Mantém-nos actualizados! :D
xx

Joana Sousa disse...

Vou ser hipócrita, mas sincera: concordo plenamente com tudo o que escreveste! No entanto, ainda hoje comprei um par de sapatos porque oh-são-tão-lindos-e-estão-ao-preço-da-chuva-e-eu-já-queria-uns-assim-há-muito, mas de que não precisava. Cedo demais nos saldos, é um descalabro de pechinchas (em compensação no resto do ano sou uma forreta e não compro nada)...adoro vestir-me bem e com peças que gosto, e acho sinceramente que isso faz parte de quem eu sou e não me sinto mal nem fútil por isso - vestir-me bem não me esvazia o cérebro, felizmente! Mas sim, a sede de consumo é uma estupidez que muitas não controlamos...

Não prometo entrar mesmo no desafio, mas com o fim dos saldos acho que não vai ser difícil cortar à grande nas compras - felizmente! Mas vou tentar seguir-te no compromisso :)

Isa Machado disse...

Concordo contigo! Felizmente ando bem mais controlada, talvez porque o dinheiro não abunda! Mas vemos coisas que aos nossos olhos são tão bonitas e apetece mesmo comprar, mais tarde é que vemos que nem precisávamos daquilo.
Enfim, pelo menos tenho resgatado muitas peças do baú da mãe, e que acabam por fazer um efeito muito parecido com o comprar coisas novas! lol

Beijinhos

Alexandra disse...

3 meses? Não! Meus ricos livros. ._. Bem, posso sempre pegar nos 500 livros que o meu pai tem, aglum há-de-me interessar... Deixaste-me no mínimo a pensar e acho que isso já é bom! ^^ Obrigado!
Sorrisos,
Alexandra :)

http://diariodumanovata.blogspot.com

Jessica Silva disse...

I'm in the same situation. Tenho um monte por ler tmb.. Tmb tenho de parar de comprar e começar a lê-los! hehe :P

Liglin L disse...

Very cool pictures! :)

www.freckledfeline.blogspot.com

Joana Isabel Duarte disse...

muito interessante, e apesar de também eu "criticar" o consumo desenfreado, nunca me decidi a ficar sem fazer compras... boa sorte :)

+++
Style & Expect

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Hostgator promo codes